Segunda-feira 4/12 a quarta-feira 6/12

Segunda-feira 4 de dezembro

Pela manhã, grupo de missionários encontrou a maioria dos refugiados do Centro de Referência ao Imigrante – CRI em Boa Vista, em uma situação física decorrente do consumo de bebida alcoólica em momento anterior.

“Estavam dormindo, sentados ou olhando para o nada. Era como se todos estivessem cansados. Tivemos que utilizar um mini auto falante para chamar os imigrantes para a aula, já que ninguém tinha comparecido”, disse Alexandrina, missionária da Fraternidade – Federação Humanitária Internacional.

Imigrante indígena venezuelana deu à luz a um bebê dentro do container azul do abrigo. Missionária da Fraternidade e membro da equipe da Secretaria do Trabalho e Bem Estar Social de Roraima (Setrabes) do CRI ajudaram no parto. Mãe e bebê foram encaminhados para a maternidade.

Distribuição de brinquedos pelo Sesc

Quantidade de água potável disponível no CRI não está sendo suficiente para a quantidade de pessoas (imigrantes e equipes). Missionários estão tendo que pegar água nas instalações do Projeto Crescer, que fica próximo ao abrigo.

Grupo do Serviço Social do Comércio (Sesc) fez a distribuição de roupas, calçados e brinquedos para todos os imigrantes do CRI. Também foram realizadas brincadeiras com as crianças, aplicação de flúor nos dentes e mini feira de artesanato das indígenas.

Realizada reunião de conciliação entre um casal, com a participação de missionários da Fraternidade e a coordenadora da equipe da Setrabes no CRI. A esposa havia sido agredida pelo marido. Foi dada orientação e explicada sobre as medidas legais que serão tomadas caso ele não mude seu comportamento.

Terça-feira 5 de dezembro

Missionários levaram para o abrigo um imigrante indígena que recebeu alta do Hospital Geral de Boa Vista.

Voluntário ministrou aulas para os refugiados e exibiu vídeos para as crianças.

Organizado os materiais e ministrada a segunda aula de alfabetização.

Pintura da escola do CRI.

Chegada de novas mesas para o container azul.

No final da tarde, foi realizada atividade de pacificação de um casal que mora no abrigo.

Quarta-feira 6 de dezembro

Conversas com as famílias do abrigo.

Organização dos materiais e realização da aula de alfabetização.

Prosseguimento da pintura da escola do CRI.

Jogos de vôlei no final da tarde.

Entrega de roupas para as pessoas que estão internadas no hospital.

Relatados casos de indígenas alcoolizados que entraram no abrigo e causaram confusão. Os casos começaram depois que a Polícia Militar deixou de estar presente no local de forma permanente. Os envolvidos foram contatados e assinaram termo de advertência. Após três advertências o imigrante é retirado do abrigo.

Curso de Gestão de Alojamentos

“Nas tribos Warao, quando alguém não se comporta eles aplicam a “penitência”, uma forma de compensar o erro por meio de ações comunitárias. Aqueles que ingeriram bebida alcoólica terão de participar das tarefas do dia a dia, como a ajuda na cozinha, a limpeza interna e externa do abrigo, apoio na horta e na padaria. Vinte e três indígenas que foram confirmados terem se embriagado começaram a fazer essas atividades”, informou Cláudia, missionária da Fraternidade.

Representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), do Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa), e uma profissional de enfermagem, ministraram o Curso de Introdução à Coordenação e Gestão de Alojamentos temporários e Abrigos. O curso, voltado às questões de violência de gênero, ocorreu na Universidade Federal de Roraima (Ufrr) e durou todo o dia.