Encanto! A palavra define bem o sentimento da plateia diante da apresentação recente de violão clássico de quatro alunos, entre 10 e 18 anos, da Escola Parque Tibetano, inserida na Comunidade-Luz Figueira, localizada na Zona Rural de Carmo da Cachoeira (MG). O recital, realizado na própria Comunidade, foi recheado de composições de grandes mestres da música, como o brasileiro Heitor Villa-Lobos e o espanhol Francisco Tárrega.

As obras apresentadas formam parte do método para violão clássico do grande educador brasileiro Henrique Pinto, reconhecido no mundo inteiro por seu trabalho no ensino desse instrumento. E esse recital é resultado de quase dois anos de aulas desse grupo”, diz Hernan Miranda, professor de Iniciação Musical da Escola Parque Tibetano e coordenador do Coral de Figueira, filiada à Fraternidade – Federação Humanitária Internacional.

A Escola Parque Tibetano atende gratuitamente aos alunos da Comunidade-Luz Figueira no Ensino Infantil, Fundamental e Médio. Tainá Floret Barbieri, do Núcleo de direção da Escola, explica que “os estudantes fazem semanalmente aula de Formação Musical, como parte do currículo escolar, onde estudam canto, solfejo, harmonia”, além de instrumentos.

Quanto aos instrumentos, as crianças menores, além da Formação Musical, fazem aulas de flauta doce diariamente. E as maiores praticam o instrumento que têm mais afinidade e interesse”, diz Tainá. Além de violão clássico e flauta doce, os alunos podem optar pelo estudo de violino, percussão e piano. Atualmente, 13 estudam alguns desses instrumentos.

O professor Miranda ressalta que os alunos que encantaram com o concerto de violão clássico – Valentim, 10 anos de idade; Matheus, 11 anos; Caio, 14 anos; e Pallas, 18 anos – também são acompanhados gratuitamente pelo maestro José Maciel, regente na cidade de Lavras, também em Minas Gerais.

Escola Viva

Além da Escola Parque Tibetano Comunidade Figueira, há outras duas unidades de ensino: na cidade de Carmo de Cachoeira (Escola Parque Tibetano – Cidade Carmo da Cachoeira – Casa Luz da Colina) e em Teresópolis (Escola Viva Parque Tibetano – Comunidade-Luz Nova Terra), no Rio de Janeiro. Todas desenvolvem o conceito de escola viva, que busca aprendizagem “permanente e consciente”.

É uma permanente na escola que todos os seres e todos os Reinos (Animal, Vegetal e Mineral) devem ser percebidos como essências irmãs. A Escola é norteada pelos valores da Comunidade e de seus instrutores”, afirma Tainá.

Segundo o professor Miranda e a diretora Tainá, há plano de ampliar e aprofundar o ensino da música na escolas Parque Tibetano, incluindo com aulas na de Carmo da Cachoeira, que já envia um grupo de alunos para as de Formação Musical na Figueira. Mas tal empreitada, entretanto, depende de doações.

Que tal ajudar a semear música em Minas Gerais, e da melhor qualidade?

Faça sua doação