O atual estágio de degeneração de todos os Reinos da Natureza nos faz refletir sobre o quanto precisamos ofertar-nos como seres humanos para atenuar esse desequilíbrio, que afeta não só a humanidade como um todo mas todo o universo manifestado.

Apesar da grave ameaça que tal situação traz para o planeta, surge aqui uma oportunidade de evoluir e de crescer em consciência, através da prática diária do serviço desinteressado e incondicional a todas as expressões de vida. Essa oferta de si à disseminação do bem e do amor, seja aos nossos semelhantes, seja aos Reinos Animal, Vegetal e Mineral, é um requisito que permeia todo o trabalho realizado de forma grupal e fraterna em todos os setores da Fraternidade.

As Comunidades-Luz e as Associações de Serviço buscam colaborar com os reinos da natureza, incluindo os que não são tangíveis e visíveis aos olhos humanos, como o elemental, o dévico e o espiritual. Essa estreita atuação integrada e colaborativa entre os grupos de serviço humano e os Reinos traz o sentido de unidade e união com a Obra do Criador.

Ouça o áudio de Trigueirinho sobre o temaicone-audio

O Reino Mineral, assim como o Vegetal e o Animal, está muito desequilibrado pela ação do homem, especialmente com relação à água, escassa e extremamente contaminada. Como se sabe, a água é elemento-chave para o equilíbrio energético e magnético do planeta.

Como nas Comunidades-Luz, buscamos a prática do Princípio da Austeridade, visando ao aprimoramento do trabalho de consciência grupal sobre o uso correto e consciente de todos os recursos disponíveis. Essa conscientização resulta em muitas ações práticas, tais como o reaproveitamento da água, a aplicação de painéis solares como fonte de energia, o uso de galhos caídos de árvores e o de fogões solares para cozer os alimentos, a transformação dos resíduos orgânicos em adubo, dentre outras medidas que integram o dia a dia das comunidades.

Adicionalmente, a presença dos lagos traz grande oportunidade para todos os que deles se aproximam para trabalharem em colaboração com o reino mineral com a simples intenção de servir de forma incondicional e abnegada. Por outro lado a energia sutil deles emanada é fator preponderante na cura e no equilíbrio dos corpos humanos, bem como na transmutação de energias nos seres.

Essencialmente, os plantios servem como fonte de alimento; contudo, têm também a função silenciosa de colaborar com o homem na sua integração com o Reino paralelo Dévico e com o Mineral. As tarefas de preparo do solo, plantio, poda, adubagem e colheita levam em consideração a lida com a estrutura de seres nos planos internos, como os devas, que sustentam toda a vida vegetal do planeta.

Além da questão produtiva, que visa a alimentar os seres, a integração e união fraterna com os vegetais é a parte mais significativa do trabalho, sem a qual a evolução do homem e dos demais reinos não se dá. Essa consciência traz imensas possibilidades de uso das plantas para a cura das enfermidades físicas e sutis, além de elas servirem de base para os procedimentos terapêuticos realizados nas comunidades, em especial, na Casa Luz da Colina.

Objetivando a adequação das tarefas a essa orientação, foram criados na Comunidade Figueira grupos especiais, que visam aos cuidados ao reino vegetal. São eles: Grupo das Árvores, Grupo dos Plantios, Grupo das Sementes e Grupo dos Pomares e dos Jardins.

Cada integrante estável que reside nas Comunidades-Luz tem como orientação básica ofertar-se para acolher um cão, que fica sob seus cuidados e formação, dando uma oportunidade para que o animal desabroche seu núcleo interno e, assim, evolua.

Nessas comunidades são também acolhidos alguns animais de grande porte, como bois e cavalos, o que representa um gesto simbólico de oferta ao desenvolvimento de uma vida fraterna e em comunhão com o homem. Da mesma forma, não há exploração do animal e sim uma doação mútua entre os reinos. Em alguns casos, bois são recuperados dos matadouros, simbolizando contribuição a essa expressão de vida.

Em algumas situações, o trabalho se amplia aos cães e gatos, e muitos deles são castrados e vacinados, visando à sua recuperação e ao encaminhamento para o cuidado de terceiros, sempre levando em conta a continuidade desse serviço de oferta de amor aos animais. Outros ficam estáveis na comunidade, sob a orientação dos respectivos tutores.

Na Comunidade Figueira, em Carmo da Cachoeira, existe o Sítio dos Reinos, um setor acoplado à Casa Luz da Colina. Lá foram acolhidos em torno de 200 animais de rua; muitos deles passaram por intenso processo de recuperação em função dos traumas sofridos pelo abandono, violência, doenças e ferimentos. Após, foram ofertados às famílias da região e às instituições voltadas para o resgate de animais.

Ouça o áudio de Trigueirinho sobre o temaicone-audio