Doar

Arte Educação-Escola Parque Tibetano: Referências de formação integral que requerem voluntários

Início » Notícias » Arte Educação-Escola Parque Tibetano: Referências de formação integral que requerem voluntários

“Seja a mudança que você deseja ver no mundo” (Mahatma Gandhi)

Na cidade de Carmo da Cachoeira, localizada no Estado de Minas Gerais, no Sudeste do Brasil, existe um prédio que, sob o nome de Unidade Arte Educação, abarca dois projetos para a formação integral de crianças. O primeiro, como o mesmo nome do lugar, Arte Educação, desenvolve atividades extracurriculares, como uma espécie de contraturno informal.

O segundo projeto é desenvolvido a partir da Escola Parque Tibetano, que –além de cumprir com o conteúdo acadêmico exigido pelo sistema educativo do País– desdobra o conceito de educação viva. Ambos os projetos, em suas duas áreas, fazem parte do setor de Educação da Casa Luz da Colina, filiada à Fraternidade –Federação Humanitária Internacional. Constituindo-se, hoje em dia, em uma referência com respeito ao que a matéria do ensino infantil representa, os projetos têm muitas solicitudes de vagas que não podem cobrir por falta de voluntários especialistas em áreas complementares e voluntários pedagogos.

Os dois projetos oferecem ensinamento gratuito, sustentado a base de doações e do exercício voluntário de profissionais e especialistas, apoiado por alguns familiares das crianças.

Atentos à professora

“Em quase sete anos que coordeno esta área, pude ver a transformação positiva de algumas crianças e suas famílias e, inclusive, em nós, que somos guias nesta etapa de sua aprendizagem. Nosso trabalho se realiza com amor, essa é nossa principal fórmula. Com mais colaboradores, poderíamos apoiar mais crianças e mais famílias”, comenta Maria Helena de Paiva, coordenadora de Arte Educação.

“Necessitamos de mais pedagogos para abarcar a demanda de solicitudes de vagas, que é cada vez maior. Nosso desejo é atender a todas as crianças que necessitem e poder ir ampliando metas, tratando sempre de manter a atenção personalizada que nos caracterizou, sustentada em uma base espiritual”, explica Luciana Guimarães, coordenadora da Escola Parque Tibetano.

Arte Educação

Recreio

Trata-se de um setor que desenvolve atividades tanto pela manhã quanto durante a tarde. Funciona como um contraturno informal, pois não está sujeito ao horário de nenhuma escola específica, inclusive nem ao da escola que funciona no mesmo prédio. Por enquanto, ainda há espaço para crianças desta e de qualquer outra escola. Suas atividades não se realizam como aulas obrigatórias, mas são amorosamente guiadas em torno de cursos livres, que permitem uma aprendizagem integral.

Maria Helena de Paiva, coordenadora do projeto Arte Educação, assinala o seguinte: “O projeto Arte Educação está aberto para toda criança que queira participar”. Enquanto observa com cuidado fotos de alunos em diversas atividades, ela agrega: “A meta principal é contribuir com a formação integral da criança a partir do tempo livre de que ela dispõe em horários fora de aula, com o pensamento em ‘ser’, mais do que em ter ou saber”.

O projeto oferece o serviço de reforço às aulas de matemática e inglês, entre outras matérias. Também atende a crianças com problemas motores e auditivos. Mas sua fortaleza como setor se enraíza nas atividades complementares que partilha, algumas sob o formato de cursos e outras como aulas, sempre livres (dando a oportunidade de que a criança assista a elas quantas vezes deseja e se expresse em liberdade). São atividades de música, roda de conversas, relatos de experiências, contação de histórias, desenho espontâneo, aulas-passeio, filmes educativos, etc.

Escola Parque Tibetano

Contato com a Natureza

Cumprindo com a exigência curricular do sistema educativo do País, que busca desenvolver as capacidades intelectuais dos alunos e em um processo contínuo, permanente e participativo, a Escola Parque Tibetano abrange ações sob o conceito de escola viva (saindo, assim, do arquétipo de escola convencional) e consegue promover, a partir de suas atividades, o intercâmbio e movimentos adequados à própria vida, propiciando o contato do aluno com o seu ser interior. Neste espaço criado, o aluno desenvolve harmônica e coerentemente todas e cada uma de suas dimensões (espiritual-ética-cognitiva-afetiva-social). Para isso, são organizadas atividades, nas quais os alunos são convidados a um contato com os Reinos da Natureza, com o Cosmos, sustentados pela vivência diária de valores espirituais.

Ainda que a escola esteja autorizada a chegar ao seu nono ano, hoje em dia, por falta de mais pedagogos e professores, responsavelmente funciona da educação básica ao ensino fundamental. Abrem-se caminhos com os alunos que vão passando de nível. Dessa maneira, a expectativa é a de abrir, em breve, o ensino médio.

Paralelamente, iniciou-se um trabalho social com quatro crianças de um lar da cidade de Carmo da Cachoeira, com atividades extracurriculares, trabalho que continuará e se expandirá na medida do possível.

Voluntários!

Ambos os setores, tanto o de Arte Educação quanto o da Escola Parque Tibetano, necessitam de voluntários para ampliarem suas atividades, sempre mantendo a qualidade da educação que se transmite e a atenção personalizada.

Luciana Guimarães e Maria Helena de Paiva, em nome da organização, convidam todos os potenciais voluntários para que abram seus corações, se motivem a se integrar às iniciativas e considerem que, com experiência em educação infantil ou mesmo sendo recém-formados, sempre haverá uma oportunidade para crescer.

Se deseja ser parte destes empreendimentos, entre em contato:

Arte Educação: (+55) (35) 99914-7427
Escola Parque Tibetano: (+55) (35) 99975-7228
Casa Luz da Colina: (+55) (35) 3225-1223
secretaria@casaluzdacolina.org.br

 

2018-11-08T16:21:31+00:0004 novembro 2018|Categories: Associações de Serviço, Notícias|